A Tirania dos Idiotas

Nas instruções de um ferro de engomar da Rowenta, adverte que pela norma XPTO não te lembres de engomar a tua camisa com ela vestida. Numa embalagem de amendoins da Matutano avisa que a embalagem pode conter vestígios de… amendoins. Nos parques municipais a placa a dizer não pisar a relva não pode faltar. Na piscina municipal da tua cidade tem uma placa a dizer para não nadares sem a vigilância do nadador salvador, mesmo que sejas adulto é campeão olímpico de natação. Se te lembrares de conduzir sem cinto de segurança ou se andares de mota sem capacete, mesmo que te apeteça correr risco de vida, se a policia te apanha levas uma multa pesada e mais meia hora de sermão. Se lhes dizes que o risco é apenas teu é que não estás a colocar a vida de ninguém em risco a não ser a tua, olham para ti como se fosses extraterrestre.

Os maços de tabaco, porque a União Europeia se preocupa com a tua saúde, adverte que fumar mata e mensagens similares (deve faltar pouco para porém as fotos de pulmões podres como fazem noutros países). No mercado de bebidas alcoólicas, que matam muito mais que o tabaco mas que movimentam mais dinheiro, apenas avisa para beberes com moderação etc. etc. A lista seria interminável. A manada quer segurança e não quer qualquer responsabilidade, por isso entrega essa tarefa ao insidioso Estado que gosta de arrebatar qualquer réstia de liberdade aos seus cidadãos que se vão tornando cada vez mais idiotas. Ao Estado só lhe falta cobrir-nos com um cobertor pela noite, para que não apanhemos frio e não ocupemos espaço nos hospitais públicos.


Um idiota é mais perigoso que um malvado, porque ao menos o primeiro age de forma racional e por interesse. Já o idiota não age por interesse, mas sim de forma a evitar o medo e os temores que o Estado cultiva neles, para os impedir de agir de acordo com as suas convicções como faz qualquer cidadão livre.As prisões são um exemplo de organização onde o Estado controla a ordem e a segurança, mas o mais grave é que essa organização prolifera fora delas. Vivemos cada vez mais num mundo “orwelliano” onde somos vigiados e sobreprotegidos a cada momento. O adorado “povo” está a tornar-se numa manada enfadonha que cada vez mais se assemelha a um ser colectivo comparável às formigas e abelhas.

A liberdade é trucidada a cada dia. Hoje, o Estado diz que matérias é que os teus filhos devem estudar, que medicamentos devem tomar segundo um calendário pré-definido. O Estado é que permite ou proíbe os alimentos que comes e que substâncias podes ou não ingerir. O Estado obriga-te a usar dinheiro falsificado e vai criando cada vez mais leis para te manter estúpido. Os idiotas tem que estar felizes, estamos a chegar ao ponto em que já não vai ser preciso pensar porque o Grande Irmão vai pensar por nós.

About the author

Carlos Maciel

Director de Marketing e Designer Multimédia do IMP. Anarcocapitalista, nos tempos livres gosta de escrever sobre os mais diversos temas como as liberdades fundamentais do Homem e sua a organização social e o futuro. Escreve regularmente no seu blog www.ilemone.com